Publicidade
Polytheama

Festival É Tudo Verdade seleciona produções dirigidas por cineastas de Juiz de Fora

Morcego Negro: documentário histórico-biográfico sobre PC Farias tem direção de Cleisson Vidal (Foto: Divulgação)

Dois filmes assinados por cineastas de Juiz de Fora concorrem na categoria de melhor longa e média-metragens nacional da 28ª edição do “É Tudo Verdade”, principal festival da América Latina dedicado a documentários. Marcos Pimentel, que vai concorrer com “Amanhã”, e Cleisson Vidal, que apresentará “Morcego Negro”, dividindo a direção com Chaim Litewski, são formados em Comunicação Social pela UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora).

Além dos dois diretores, Juiz de Fora aparece na mostra com a cineasta e produtora Juliana Simões de Carvalho, que é proprietária da Bang Filmes, responsável pela produção de “O Contato”, que tem direção de Vicente Ferraz. Juliana também foi aluna da Faculdade de Comunicação Social da UFJF e fez toda a sua carreira no Rio de Janeiro.

Serão sete longas e médias-metragens brasileiros e 12 internacionais que fazem suas estreias nas telas brasileiras, além de nove curtas nacionais e sete internacionais. Os filmes vencedores dos prêmios dos júris na Competição Brasileira e Internacional de longas/médias e de curtas-metragens estarão automaticamente classificados para apreciação à disputa pelo Oscar 2024.

O anúncio das produções selecionadas aconteceu nessa terça-feira (28) durante em uma coletiva de imprensa realizada no Itaú Cultural, em São Paulo. O diretor-fundador do festival, Amir Labaki, apresentou o programa desta edição, que volta a acontecer plenamente de forma presencial entre os dias 13 e 23 de abril, simultaneamente em seis salas em São Paulo e em três salas no Rio de Janeiro, com entrada franca.

O festival exibirá um total de 72 produções entre longas, médias e curtas-metragens, de 34 países. A programação inclui ainda conferências, debates e sessões em streaming. A cerimônia de premiação acontecerá no dia 22 de abril, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. As produções premiadas pelos júris oficiais terão reapresentações especiais em São Paulo e no Rio de Janeiro no dia 24 de abril.

O festival homenageia em ciclos especiais o cinema de Humberto Mauro (1897-1983), com a exibição de dez de seus filmes e dois documentários sobre o pioneiro da produção brasileira; e Jean-Luc Godard (1930-2022), com a apresentação dos oito episódios da série História(s) do Cinema (1987-1998).

Conheça os filmes selecionados para o É Tudo Verdade 2023:

SESSÃO DE ABERTURA | SÃO PAULO

Subject, de Jennifer Tiexiera e Camilla Hall (EUA)

SESSÃO DE ABERTURA | RIO DE JANEIRO

1968: Um Ano na Vida, de Eduardo Escorel (Brasil)

COMPETIÇÃO BRASILEIRA | LONGAS E MÉDIAS

171, de Rodrigo Siqueira

Amanhã, de Marcos Pimentel

Incompatível com a Vida, de Eliza Capai

Morcego Negro, de Chaim Litewski e Cleisson Vidal

Nada Sobre meu Pai, de Susanna Lira

O Contato, de Vicente Ferraz (produção de Juliana Carvalho)

Santino, de Cao Guimarães

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL | LONGAS E MÉDIAS

Casa Silenciosa (Khaneye Khamoosh), de Farnaz Jourabchian e Mohammad Reza Jourabchian (Irã/Canadá/França/Filipinas/Qatar)

Confiança Total (Total Trust), de Jialing Zhang (Alemanha/Holanda)

Despertar de Aurora (Aurora’s Sunrise), de Inna Sahakyan (Armênia/Alemanha/Lituânia)

Front do Leste (Shidniy Front), de Vitaly Mansky e Yevhen Titarenko (Letônia/Ucrânia/República Tcheca/EUA)

Godard Cinema (Godard Seul le Cinéma), de Cyril Leuthy (França)

Little Richard: Eu Sou Tudo (Little Richard: I Am Everything), de Lisa Cortez (EUA)

Não-Alinhados: Cenas dos Rolos de Labudović (Non-Aligned: Scenes from the Labudović Reels), de Milla Turajlić (Sérvia/França/Croácia/Montenegro/Qatar)

O Caso Padilla (El Caso Padilla), de Pavel Giroud (Espanha/Cuba)

Pianoforte, de Jakub Piątek (Polônia)

Rezando pelo Armagedom (Praying for Armageddon), de Tonje Hessen Schei (Noruega)

Still: A Michael J. Fox Movie, de Davis Guggenheim (EUA)

Um Espião Compassivo (A Compassionate Spy), de Steve James (EUA/Reino Unido)

COMPETIÇÃO BRASILEIRA | CURTAS-METRAGENS

Aos Mortos, Um Lugar para Habitar, de Victor Costa Lopes

Bambambã, de Andréa França

Cama Vazia, de Fábio Rogério e Jean-Claude Bernardet

Ferro’s Bar, de Aline A. Assis, Fernanda Elias, Nayla Guerra e Rita Quadros

Mãri hi: A Árvore do Sonho, de Morzaniel Ɨramari

O Materialismo Histórico da Flecha Contra o Relógio, de Carlos Adriano

Retratos de Piratininga, de André Manfrim

Todavia Sinto, de Evelyn Santos

Vãnh Gõ Tõ Laklãnõ, de Barbara Pettres, Flávia Person e Walderes Coctá Priprá

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL | CURTAS-METRAGENS

Carta a um Porco (Letter to a Pig), de Tal Kantor (França/Israel)

Florestas (Forêts), de Simon Plouffe (Canadá)

Folhas de K. (Hojas de K.), de Gloria Carrion (Nicarágua/Costa Rica)

Jogando Óleo na Fervura (Pouring Water on Troubled Oil), de Nariman Massoumi (Reino Unido)

Mal Trabalhando (Hardly Working), de Total Refusal (Áustria)

Paraíso da Soneca (Powernapper’s Paradise), de Samir Arabzadeh (Suécia)

Ptitsa, de Alina Maksimenko (Polônia/Ucrânia)

Todas as Coisas que Você Deixa para Trás(All the Things You Leave Behind), de Chanasorn Chaikitiporn (Tailândia)

Uma História do Mundo Segundo a Getty Images (A History of the World According to Getty Images), de Richard Misek (Reino Unido/Noruega)

MOSTRAS NÃO COMPETITIVAS

PROGRAMAS ESPECIAIS

Antunes Filho, do Coração para o Olho, de Cristiano Burlan (Brasil)

Lixo Fora de Lugar (Matter Out of Place), de Nikolaus Geyrhalter (Áustria)

Lowndes County e o Caminho para o Poder Negro (Lowndes County And The Road to Black Power), de Sam Pollard e Geeta Gandbhir (EUA)

Três Minutos: Uma Duração (Three Minutes – A Lengthening), de Bianca Stigter (Holanda)

Vire Cada Página: As Aventuras de Robert Caro e Robert Gottlieb (Turn Every Page: The Adventures of Robert Caro and Robert Gottlieb), de Lizzie Gottlieb (EUA)

O ESTADO DAS COISAS

A História Natural da Destruição (The Natural History of Destruction), de Sergei Loznitsa (Alemanha/Holanda/Lituânia)

Favela do Papa, de Marco Antônio Pereira (Brasil)

Liberdade em Chamas (Freedom on Fire), de Evgeny Afineevsky (Reino Unido/EUA/Ucrânia)

Merkel, de Eva Weber (Reino Unido/Alemanha/Dinamarca)

Música para Pombos Negros (Music for Black Pigeons), de Jorgen Leth e Andreas Koefoed (Dinamarca)

Os Corredores do Poder (The Corridors of Power), de Dror Moreh (França/Alemanha/EUA/Israel)

Rua Aurora: Refúgio de Todos os Mundos, de Camilo Cavalcante (Brasil)

FOCO LATINO-AMERICANO

Amando Martha (Amando a Martha), de Daniela López Osorio (Colômbia/Argentina)

Beleza Silenciosa (Belleza Silenciosa), de Jasmín Mara López (EUA/México/Malta)

Hot Club de Montevideo, de Maximiliano Contenti (Uruguai)

CLÁSSICOS É TUDO VERDADE

Americano: Uma Odisseia a 1947 (American: An Odyssey to 1947), de Danny Wu (Canadá) (2022)

Cine-Guerrilhas: Cenas dos Rolos de Labudović (Ciné-Guerrillas: Scenes from the Labudović Reels), de Mila Turajlić (Sérvia/França) (2022)

Confissões de um Cinema em Formação, de Eugenio Puppo (Brasil) (2022)

O Prisioneiro da Grade de Ferro (Autorretratos), de Paulo Sacramento (Brasil) (2003)

HOMENAGEM HUMBERTO MAURO

Cantos de Trabalho, de Humberto Mauro (1955)

Carro de Bois, de Humberto Mauro (1974)

Engenhos e Usinas, de Humberto Mauro (1955)

Henrique Oswald, de Humberto Mauro (1942)

Humberto Mauro, Cinema é Cachoeira, de André Di Mauro (2018)

Lagoa Santa, de Humberto Mauro (1940)

Manhã na Roça: O Carro de Bois, de Humberto Mauro (1956)

Mauro, Humberto, de David Neves (1975)

O Cysne, de Humberto Mauro (1936)

O João de Barro, de Humberto Mauro (1956)

Um Apólogo, de Humberto Mauro (1939)

Victoria Regia, de Humberto Mauro (1937)