Conjuntura

CPI do MST requer cópia do processo de compra de arroz pela Prefeitura de Juiz de Fora

Requerimentos são de autoria do deputado Kim Kataguiri (Foto: Câmara dos Deputados)

A CPI do MST aprovou, nessa quarta-feira, dois requerimentos do deputado federal Kim Kataguiri (União Brasil) envolvendo a compra de arroz orgânico pela Prefeitura de Juiz de Fora. O primeiro trata-se de pedido de informação sobre a aquisição do alimento junto à Cootap (Cooperativa de Trabalhadores Assentados de Porto Alegre). Já no segundo é feita requisição da “cópia integral do procedimento que levou à aquisição de arroz orgânico do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) pelo preço acima do valor de mercado”.

Os requerimentos de convocação da prefeita Margarida Salomão (PT) e da secretária de Agropecuária e Abastecimento, Fabíola Paulino, ainda não foram colocados em votação. A Câmara dos Deputados entra em recesso nessa semana e só retorna em agosto. Além do caso envolvendo Juiz de Fora, foram aprovados requerimentos convocando autoridades de estados como a Bahia, onde teriam ocorrido invasões irregulares do MST neste ano.

O caso da compra de arroz orgânico pela Prefeitura de Juiz de Fora junto à Coopap, que é ligada ao MST, ganhou repercussão nacional após o vereador Sargento Mello (PTB) e o ex-deputado estadual Isauro Calais (PSC) postarem em suas redes sociais vídeos com críticas ao valor pago pelo município. Cada pacote de 5 kg de arroz orgânico custou R$ 43,06, sendo adquiridas 19 mil unidades, totalizando despesas de R$ 818 mil. O contrato de compra foi formalizado no mês de maio.

Tanto o vereador quanto o ex-deputado compararam o preço do arroz orgânico com outros de tipos do produto e denunciaram sobrepreço e favorecimento à Cootap e do MST. As críticas foram rebatidas por Fabíola Paulino. “A compra se trata de arroz orgânico, e por isso não faz o menor sentido comparar o preço do orgânico com o arroz branco, vendido em supermercado”.

A secretária afirmou ainda que não há irregularidade na compra. Os recursos, segundo ela, provêm do governo federal, via Programa Nacional de Alimentação Escolar, e devem ser gastos conforme legislação específica. Uma das exigências é de que 30% seja de compras da agricultura familiar, com prioridade para assentamentos da reforma agrária. “A lei também determina a prioridade da compra de produtos orgânicos.”

Em resposta ao jornal O Tempo, Margarida disse que a “aquisição do arroz orgânico foi feita em conformidade com os processos licitatórios da Prefeitura e tudo que é ligado ao MST tem visão preconceituosa”. Ainda, segundo ela, “existem dois preconceitos nesta situação, primeiro contra os pobres, pois uma parcela considera como desaforo comprar arroz orgânico para alimentação pública”.

Publicidade