Conjuntura

Vereador critica omissão sobre remodelação do transporte coletivo e propõe mudanças

André Luiz quer retomar discussão sobre remodelação do sistema prometida pela Prefeitura (Foto: CâmaraJF)

A remodelação do sistema de transporte público coletivo proposta pelos vereadores como condição aprovação do projeto de subsídio para o setor em julho do ano passado ainda não foi apresentada pela Prefeitura de Juiz de Fora. O prazo para a entrega da proposta era 31 de dezembro de 2021.

O apelo pela retomada das discussões do transporte público municipal pelo Executivo foi feito pelo vereador André Luiz (Republicanos) na última segunda-feira na rádio Alô FM. “Estamos caminhando para o término da primeira metade da atual administração e a população ainda sofre com o transporte público coletivo”.

Frente ao que considerou como omissão do Executivo, o vereador protocolou um projeto lei com propostas para remodelação do sistema. “Nossa proposta quer mostrar que é possível aumentar a qualidade do transporte público. Só basta ter boa vontade e querer mudar as coisas. Os usuários estão cansados.”

A proposta de André Luiz, que começou a tramitar nas comissões técnicas da Câmara de Juiz de Fora, prevê a adoção de transporte urbano complementar com veículos menores em regiões atualmente desassistidas pelos ônibus. A Secretaria de Mobilidade Urbana seria responsável pelos estudos das áreas e o modelo de concessão do serviço.

O vereador, no entanto, quer ampliar a discussão sobre a remodelação a partir da proposta. “Estamos tratando do transporte público. Então, vamos conversar com os motoristas de aplicativos, motoristas de táxis, proprietários de vans escolares. É preciso juntar todos que fazem o transporte público no dia a dia e buscar uma solução.”

Sobre as conversas em torno da possibilidade de acabar com a função de cobrador, que está em negociação entre o Sinttro (Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário) e as concessionárias de transporte público coletivo, André Luiz disse que, no caso de haver novo subsídio público municipal ao setor, a função de cobrador deve permanecer.

“Nosso projeto de lei deixa isso muito claro. Qualquer possibilidade de subvenção econômica deve acontecer somente com os veículos dotados de motoristas e cobradores”, explica o vereador. Ele reconhece, entretanto, que os impactos tecnológicos são inevitáveis e o melhor a fazer é se preparar.

Nesse sentido, André Luiz também questiona a crítica das concessionárias de transporte público coletivo quanto à concorrência com os veículos de aplicativos. “Era algo previsível e parece que as empresas não se preparam para isso. Quando podem, os usuários optam pelo melhor custo-benefício”.

Publicidade