Publicidade
Polytheama

Juiz de Fora à luz do teatro: os 55 anos do Divulgação

Com uma trajetória única no cenário nacional, o Grupo Divulgação foi criado 1966 em Juiz de Fora (Foto: Grupo Divulgação)

As três batidas de Molière dão o sinal de que o espetáculo vai começar. Aquele é o momento das luzes se apagarem, e as cortinas se abrirem. No palco, o foco de luz está não só sobre um ator, mas sobre uma data. Em 07 de julho de 2021, um personagem juiz-forano completa 55 anos, mais uma de tantas datas redondas comemoradas pelo Grupo Divulgação, companhia de teatro liderada pelo diretor, dramaturgo e ator José Luiz Ribeiro, entrevistado do programa Spot desta quarta-feira.

Com uma trajetória única no cenário nacional, o Grupo Divulgação foi criado no ano de 1966, por estudantes da antiga Faculdade de Filosofia e Letras (FAFILE). Dois anos depois, a instituição seria incorporada à então recém-criada Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), com quem o Grupo Divulgação manteve profunda relação ao longo dessas mais de cinco décadas de história. “Nós somos de 66, tempo dos anos de chumbo, e a gente queria justamente dividir com as pessoas o nosso conhecimento”, recorda José Luiz.

No repertório da companhia, nomes importantes da dramaturgia internacional, como os russos Anton Tchekhov e Máximo Gorki, os alemães Goethe e Bertold Brecht, o inglês William Shakespeare, o italiano Luigi Pirandello, o francês Molière e o espanhol Federico García Lorca. Esse último é considerado o patrono do grupo, autor da famosa frase que acompanha toda a trajetória do Divulgação: “Mede-se a cultura de um povo pelo seu teatro”.

Já entre os brasileiros, Artur de Azevedo, Oswald de Andrade, Nelson Rodrigues, Naum Alves de Souza, Augusto Boal e Jorge Andrade figuram entre aqueles encenados por José Luiz e incontáveis atores e atrizes que iniciaram suas carreiras (artísticas ou não) no palco do Forum da Cultura. O casarão localizado no centro de Juiz de Fora acolheu o grupo a partir de 1972, quando o então reitor da UFJF, Gilson Salomão, abriu suas portas para o teatro.

No local, atualmente são desenvolvidas atividades pelo Centro de Estudos Teatrais, com núcleos de terceira idade e adolescentes, além de cursos para universitários e o Seminário Os Caminhos do Teatro. Vinculado à UFJF, o projeto Escola de Espectador leva crianças e adolescentes de escolas públicas locais para assistirem às peças adultas e infantis do grupo desde 1985.

“O teatro é uma arte que é um castelo que se constrói na areia da praia. Vem a onda e leva. Se não tiver uma memória coletiva, ele desaparece”, filosofa o diretor. No último ano, o Divulgação interrompeu suas atividades presenciais por conta da pandemia, mas as comemorações do seu 55º aniversário serão realizadas de forma online. O propósito é reafirmar a longevidade do grupo, que, em 2019, se tornou Patrimônio Imaterial de Juiz de Fora, cidade que José Luiz faz questão de chamar de sua “aldeia”.