Conjuntura

Margarida rechaça Kalil e defende candidatura própria do PT ao Governo de Minas

Margarida foi entrevistada pelos jornalistas Renato Rovai e Dri Delorenzo da TV Fórum (Foto: Repdorução/YouTube)

“O PT precisa se debruçar sobre a construção dessa candidatura (própria) no estado de Minas Gerais”. A constatação é da prefeita de Juiz de Fora, Margarida Salomão (PT), para quem uma eventual aliança com o prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato ao Governo de Minas, Alexandre Kalil (PSD), não deve ser considerada.  “Ele (Kalil) por diversas vezes disse que não queria o nosso apoio.”

As declarações foram dadas aos jornalistas Renato Rovai e Dri Delorenzo durante entrevista transmitida pela TV Fórum no início da tarde de hoje (6). A avaliação de Margarida é de que o PT vive um bom momento no estado, com chances reais de eleger boas bancadas na Câmara dos Deputados e na Assembleia de Minas.

No campo majoritário, a prefeita relatou uma situação extremamente confortável em relação à candidatura do ex-presidente Lula. “Nosso sentimento aqui é de que é Lula mesmo”. Em seguida, projetou a possibilidade inédita de os mineiros elegerem um senador petista. “Acho que conseguiremos, pela primeira vez, eleger um senador do PT de Minas Gerais, que será o hoje deputado federal Reginaldo Lopes”.

Nesse cenário, com Lula bem avaliado, as bancadas estadual e federal com possibilidade de crescimento e a hipótese de eleição de um senador pelo partido, Margarida tratou como “desperdício” não ter uma candidatura do PT ao Governo de Minas. “Nesse momento, ainda não temos uma candidatura ao Governo que eu acho que será uma candidatura competitiva. É um desperdício não termos uma candidatura”.

Pesquisa do Instituto DataTempo, divulgada na última segunda-feira (4), coloca Lula com 40,4% contra 20,1% do presidente Jair Bolsonaro no estado de Minas Gerais. Na disputa pelo Governo de Minas, o governador Romeu Zema (Novo) lidera com 40,4% contra 19,1% de Alexandre Kalil. Reginaldo Lopes, apontado por Margarida como potencial candidato ao Senado, aparece com 4,2% das intenções para governador.

Bolsonaro é o maior problema; Zema não foi incomodado

Questionada pelos jornalistas quanto aos desafios de Juiz de Fora, Margarida disse que a falta de interlocução com o Governo federal é o seu grande problema. “Agora, o grande problema que enfrentamos é mesmo o governo Bolsonaro. Falta ao país alguém que queira enfrentar de fato os problemas, em vez de criar mais problemas”.

A prefeita citou a necessidade de investimento de grande porte para resolver a questão da drenagem no município, o que dificilmente será feito sem ajuda do Governo federal. Ela também cobrou investimentos da União para retomada econômica pós-pandemia. “É necessário política de investimento público que vários países pelo mundo estão fazendo. Sem injeção de recursos públicos não vamos sair do lugar”.

Sobre o governador Romeu Zema, que lidera a disputa sucessória no estado, Margarida disse que o ocupante do Palácio Tiradentes acaba sendo favorecido pelo vácuo criado no imaginário político com foco no presidente da República e nos prefeitos. “As referências políticas para o povo são a Presidência e a Prefeitura. O governo (do estado) nada no vazio, o que favorece quem está lá, pois é menos visado”.

Os jornalistas questionaram, por fim, como anda a gestão do ponto de vista de ataques pessoais e da disseminação de fake news por parte de segmentos radicais do bolsonarismo. A prefeita reafirmou fazer um governo para todos, seus eleitores, não eleitores e não votantes, mas alertou que irá judicializar a questão. “Isso, contudo, não impede que não encontremos formas democráticas de enfrentar o bolsonarismo. Mentiu sobre mim? Vai responder na Justiça. Já até tivemos frutos fazendo isso.”

Relacionados
Conjuntura

Marcus Pestana: “As prévias foram um sucesso político, mas um fiasco tecnológico”

Com o aval dos seus três concorrentes – o governador de São Paulo, João Doria, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio -, o PSDB retoma…
Leia mais
ConjunturaDiversidade

Emenda condiciona cota racial à formação em escola pública e reduz vagas para 10%

Vinte e quatro horas após ser aprovado em primeiro turno, com apenas os votos contrários dos vereadores Sargento Mello (PTB) e Bejani Júnior (Podemos), o projeto de lei 158/202, que prevê reserva de 20% das…
Leia mais
Conjuntura

Cotas, mercado em retração e morosidade processual: o que pensam os candidatos à OAB-JF?

A cada três anos, na segunda quinzena do mês de novembro, acontecem as eleições para escolha dos membros diretivos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O pleito, de participação obrigatória para toda a advocacia,…
Leia mais

Notícias no e-mail