CiênciasCoronavírus

Como Chácara atingiu 100% do público adulto vacinado com duas doses

Profissionais da Secretaria de Saúde de Chácara colocaram o pé na estrada para vacinar 100% do público-alvo (Fotos: Prefeitura de Chácara)

Chácara tem 3.216 habitantes. Todos os adultos do município estão vacinados contra a Covid-19 com duas doses ou dose única. As crianças e os adolescentes aptos a tomar o imunizante só não o fizeram ainda porque as vacinas chegam aos poucos. “Chegando, a gente ‘desembola’ rápido”, garante o prefeito Jucelio Fernandes de Oliveira (PL), o Bilim.

Chácara, Olaria e Maripá de Minas foram os municípios da microrregião de Juiz de Fora que melhor ‘desembolaram’ até agora a vacinação contra a Covid-19. Os três alcançaram a marca de 100% da população adulta totalmente vacinada. Pedro Teixeira, Senador Cortes, Simão Pereira e Goianá já aplicaram a primeira dose em todos os adultos.

O comprometimento com a mobilização para aumentar a cobertura vacinal contra Covid-19 é o mesmo entre todos esses municípios. Os profissionais de saúde, por meio de um forte trabalho de busca ativa, se valem de todas as artimanhas para encontrarem as pessoas do público-alvo. Muitas vezes, as equipes de vacinação chegavam nas casas junto com o nascer do sol.

O prefeito de Chácara conta que o processo de busca ativa na cidade, ainda no início da vacinação, aconteceu de diversas formas. “Realizamos a divulgação da campanha de vacinação diariamente por meio dos nossos agentes comunitários, transmitindo mensagens e convocações em grupos nas redes sociais da cidade e oferecendo atendimentos com horários alternativos para a vacinação.”

Bilim lembra que várias equipes da Secretaria de Saúde percorriam as comunidades rurais todos os dias para aplicar a vacina. “Quem não conseguia vacinar por qualquer motivo, a gente mandava o carro voltar lá e trazer a pessoa para vacinar aqui na cidade”. Os grupos prioritários, aqueles com pessoas com comorbidades e com idade acima de 65 anos, também podiam agendar o atendimento.

A vacinação funcionou tão bem, segundo o prefeito, que moradores de cidades vizinhas começaram a procurar o município para receberem o imunizante. Por conta dessa procura, se for contabilizado o público-alvo previsto, a cobertura de vacinação ultrapassaria os 100%.

Com uma extensa zona rural, a aposta da Secretaria de Saúde de Olaria desde o início foi levar a vacina até a população. Para isso, valeu o trabalho e a experiência dos agentes de saúde, com vasto conhecimento sobre os moradores. Assim, aos poucos, a cobertura vacinal foi sendo efetivada.

Quem ficava para trás, por não ser localizado por algum motivo, se tornava alvo da busca ativa. Os profissionais da Prefeitura voltavam às residências em horários diversificados e faziam agendamento de novas rodadas de vacinação. Na sede do município, as unidades básicas de saúde permaneceram abertas durante os finais de semana.

E quando a vacinação não anda

Da microrregião de Juiz de Fora, o município de Rio Preto é aquele com menor percentual de vacinação em relação às duas doses ou dose única. Ainda assim, os índices não são críticos e, apesar da defasagem em relação às demais cidades do entorno, figuram na média do estado e do país.

Um das situações mais complexas do estado é a de Urucuia, no Norte de Minas, com a menor cobertura vacinal atualmente. Apenas 44,79% dos 19 mil habitantes receberam a primeira dose e 39,05% completaram a segunda. Por lá, o problema, segundo o prefeito Rutílio Cavalcanti (PMN), envolve a recusa à vacina por uma parcela significativa dos moradores.

 A situação é tão complexa que a Prefeitura se viu obrigada a publicar um decreto obrigando os funcionários da Secretaria de Saúde a aplicar a vacina, pois muitos estavam se recusando. Na avaliação do prefeito, a postura do governo federal sobre os imunizantes pode ter contribuído para esse cenário.

Rutílio também atribuiu o fato de os moradores recusarem à vacina as “notícias mentirosas” que chegam diariamente por meio do WhatsApp. “Infelizmente tem muita gente que não quis vacinar. Ainda tem muita gente contra a vacina. Para falar a verdade, eu não entendo. A vida toda, desde criança, as vacinas vem salvando milhões e milhões de vidas.”

Ao tratar da questão do impacto das fake news na vacinação, o secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, fez um apelo. “Não acreditem em fake news, acreditem em informação de verdade. Tomem a vacina que é o jeito mais seguro e responsável para atravessar este momento e, de uma vez por todas, vencer a pandemia.”

* Matéria atualizada no sábado (12) com dados do município de Olaria.