Ciências

A ‘Fábrica de Aparelhos’ da Escola de Engenharia de Juiz de Fora

Modelo Aerodinâmico (Divulgação)

Em comemoração ao  Bicentenário da Independência, o MAST (Museu de Astronomia e Ciências Afins) levará o público a uma viagem pela história do desenvolvimento da tecnologia nacional, com as exposições: “Produzindo ciência: A Fábrica de Aparelhos da Escola de Engenharia de Juiz de Fora” e “Um Mapa Para a República”  que estreiam nessa quinta-feira (4).

Marcadas pela intersecção da ciência e do pioneirismo, as exposições retratam o avanço do conhecimento. Se, por um lado, “Produzindo Ciência: A Fábrica de Aparelhos da Escola de Engenharia de Juiz de Fora” traz a materialidade, com a presença de objetos e instrumentos científicos utilizados na formação de engenheiros, por outro, “Um Mapa para a República” nos leva até o primeiro mapa científico ainda no período republicano.

O diretor do MAST, Marcio Rangel, explica que esse é o momento crucial para discutir e analisar a contribuição da ciência para a formação da nação brasileira, da  identidade nacional e do que hoje denominamos Brasil. “Às vezes não fica tão evidente para o público o papel preponderante que a ciência teve na configuração do nosso país”.  O MAST realiza essa exposição em parceria com a UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) por meio da Faculdade de Engenharia, inclusive, o Museu assinou um convênio com a UFJF para a preservação do acervo do MDCT (Museu Dinâmico de Ciência e Tecnologia) da instituição. 

A exposição tem como eixo central o papel da ciência brasileira em um momento marcado pelo pioneirismo do Parque Tecnológico, da Escola de Engenharia de Juiz de Fora. A mostra apresenta 17 instrumentos científicos, dentre eles o modelo aerodinâmico, um conjunto de tubos sonoros e a Balança Tríplice, que possibilitará ao público conhecer e revisitar a memória de um dos acervos universitários mais importantes para a história do país. 

Paulo Noronha, tecnologista do MAST que atua no Museu Dinâmico, explica que a Balança Tríplice é um dos destaques, pois foi o primeiro equipamento científico patenteado pela UFJF. “Ela foi inteiramente concebida na ‘Fábrica de Aparelhos’, pelo professor Josué Lage, no final da década de 1930. Foram produzidas milhares delas, comercializadas por todo o Brasil e exterior. Devido à sua precisão, facilidade e manejo, ainda hoje é utilizada em inúmeros laboratórios de universidades do Brasil.”

Há menos de cem anos, quando em 1930 o Parque Tecnológico realizava atividades de construção e reforma de equipamentos científicos, o professor Josué Lage percebeu um déficit relativo à falta de fábricas nacionais que pudessem suprir as demandas de materiais didáticos para o ensino da ciência aos alunos de Engenharia. Assim surgiu a “Fábrica de Aparelhos” e se iniciou uma nova fase na produção de conhecimento no país.

A exposição “Um Mapa para a República” não fica atrás quando se fala de inovação. Isso porque ela transita entre as emblemáticas disputas na elaboração de um mapa do país e também ao marco do Brasil ter sido o único, da América Latina, a moldar o seu próprio. As demais nações tiveram o seu mapa elaborado pelo serviço geodésico americano, conforme explicou a curadora e pesquisadora do MAST, Moema Vergara.

A mostra torna pública o embate entre o projeto do Estado Maior do Exército, com o método de triangulação para mapear o território, em contraposição ao do Clube de Engenharia, que escolheu confeccioná-lo por meio da compilação e levantamentos astronômicos. Devido a agilidade e por estar em sintonia com os padrões internacionais estabelecidos pela Comissão do Mapa ao Mundo ao Milionésimo, o modelo escolhido foi o do Clube de Engenharia. 

A exposição terá também a Carta Geral de 1922, primeiro mapa do Brasil na República criado para comemorar o centenário da Independência e cinco instrumentos do acervo do Clube de Engenharia, ligados à topografia e à cartografia, utilizados para realizar o mapeamento do território nacional. Outros documentos e medalhas estarão também em exibição.

O Clube de Engenharia emprestou parte de seu acervo para a mostra, e o MAST contou também com a parceria da Fundação Biblioteca Nacional. Já a Carta Geral de 1922 foi emprestada em regime de comodato pelo Museu da Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro .  A exposição contempla também instrumentos produzidos pela fábrica francesa Le Fils D’Émile Deyrolle, da qual o Museu Dinâmico de Ciência e Tecnologia possui um raro e significativo acervo. 

A abertura da mostra foi marcada por uma Mesa de Debates, onde participaram do evento o diretor do MAST, Marcio Rangel; a vice-presidente do Clube de Engenharia, Maria Alice Ibanez Duarte; representando a Diretoria Cultural e Cívica do Clube de Engenharia, Ana Lúcia Moraes e Souza; o diretor do Museu da Escola Politécnica da UFRJ, Heloi José Fernandes Moreira; e a co-curadora Maria Gabriela Bernardino, com mediação da curadora Moema Vergara.

UM MAPA PARA A REPÚBLICA 

  • Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST)
  • Rua General Bruce, 586 – São Cristóvão
  • Visitação: de 5 de agosto de 2022 a 31 de outubro de 2022
  • Terça a sexta-feira das 10h às 18h
  • Sábado das 14h às 18h
  • Entrada Grátis

PRODUZINDO CIÊNCIA: A FÁBRICA DE APARELHOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE JUIZ DE FORA

  • Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST)
  • Rua General Bruce, 586 – São Cristóvão
  • Visitação: de 5 de agosto a 30 de março de 2023
  • Terça a sexta-feira das 10h às 18h
  • Sábado das 14h às 18h
  • Entrada Grátis