Holofote

Cartão corporativo de Bolsonaro foi usado apenas uma vez na Zona da Mata

O ex-presidente Jair Bolsonaro ao lado do ex-presidente da Caixa Pedro Guimarães (Foto: Isac Nóbrega/PR)

O cartão corporativo da Presidência foi usado para pagar diárias de hospedagens no valor de R$ 4.160 no Hotel Mhajol Plaza, em Rio Novo, no dia 18 de março de 2019. O local fica a 4 km do Aeroporto Presidente Itamar Franco (Aeroporto Regional da Zona da Mata). As informações foram organizadas e divulgadas pela agência Fiquem Sabendo, que obteve o material via LAI (Lei de Acesso à Informação).

No dia em que foi registrada movimentação com o cartão corporativo em Rio Novo, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) estava em Washington, nos Estados Unidos. Na ocasião, ele participou de uma reunião na CIA, a agência de inteligência americana. O encontro, que não estava no roteiro oficial do presidente, começou cedo, mas não foi divulgado à imprensa.

Não há nenhuma regra que impeça o uso do cartão corporativo vinculado à Presidência da República sem a presença do presidente. O art. 47 do Decreto 93.872/1986 limita os gastos via cartão corporativo “para atender peculiaridades dos órgãos essenciais da Presidência da República”, mas sem especificar quais seriam essas “peculiaridades”.

O Pharol conversou com o responsável pelo hotel que se limitou a informar que o ex-presidente nunca esteve local. Em relação ao número de hóspedes e suas identidades, ele não soube informar. Registros feitos por jornais na data das hospedagens não indicam a existência de quaisquer eventos relacionados à Presidência da República na região.

As despesas realizadas em Rio Novo foram as únicas registradas na Zona da Mata que aparecem na relação de gastos do cartão corporativo do ex-presidente Jair Bolsonaro divulgados no último dia 11 de janeiro. Os dados disponibilizados pela Secretaria-Geral da Presidência da República se encontram neste link. Em nenhuma de suas passagens por Juiz de Fora, o ex-presidente usou o cartão corporativo.

Publicidade