Publicidade
Colunas

Vamos devagar, Brasil!

Outro dia mesmo ficou decretada a completa a inocência da Dilma diante de todas as acusações que levaram ao impeachment. Esta coluna comentou o ocorrido. Depois de anos falando só impeachment, o Partido do Impeachment da Dilma vai ter que usar a palavra Golpe. Uma das correntes deve até se renomear de Imprensa Golpista. Pior é que esse pessoal nem pôde descansar no feriado patriótico do dia 7 de setembro…

…porque no dia 6 o ministro Dias Toffoli, do STF, falou de “armação” ao se referir à Lava Jato e “erro histórico” para comentar a prisão de Lula. A defesa de Sérgio Moro à Lava Jato logo depois desse comentário deixa clara a síntese: se Lula já estava inocentado pela falta de provas, ficou evidente que também é inocente pela falta de convicções.

Coitada da imprensa, desacreditada em seu pequeno nicho detentor dos maiores conglomerados de comunicação do Brasil. Vai ter que rever conceitos, etimologias, definições e até reler os manuais, ou reescrever, se possui, a parte de ética. Esses grandes coitadinhos nem estão reverberando muito esses fatos, preferindo colocar os desfiles em destaque nos assuntos de política e de moral e cívica.

O que esperar da semana que vem?

Uma discussão que tem esquentado no Congresso Nacional é a do marco temporal. Imagine que podem chamar a descoberta do Brasil de invasão! Dizer que cantamos parabéns desde 1501 em vão! E os bolos? E as sósias das naus criadas em 2000 para comemorar os 5 séculos de pátria amada, Brasil? E o feriado!? Quem devolve todo esse prejuízo para o erário? E a mais importante das questões, levantada anos atrás pelas Cobras, de Luis Fernando Verissimo: os indígenas vão devolver aos portugueses os espelhinhos?

Se todos esses pontos históricos mudarem, os livros didáticos também precisarão mudar. E agora querem execrar o governador de São Paulo, o bolsonarista Tarcísio de Freitas, porque queria tirar o papel e colocar o ensino do 6° ano em diante somente no digital. Tudo tem mudado com tanta velocidade que só assim para acompanhar. Como bom paulofreiriano que é, o governador só propôs aproximar mais a realidade dos estudantes. Todos têm internet em casa, não têm?

Outro ponto que pode mudar é a legislação sobre LGBTQIAPN+. Se qualquer indivíduo que se identifique na sigla apanhar na rua, ainda mais se for da polícia, poderá alegar preconceito. Vai ter muito policial sem serviço, muito cacetete ocioso e pode ser que a polícia precise ser deslocada para funções mais sociais. O cidadão de bem paga imposto para ter polícia para quem precisa de polícia, vai ficar indignado se uma travesti puder comprar maconha legalizada no seu estabelecimento de família tradicional brasileira.

Ah, sim, tem isso: maconha pagando imposto. Onde já se viu isso!? Cobrar para que a classe média tenha o que já tem (e não só ela) e ainda permitir que o Estado arrecade mais com isso e possa investir em educação e programas sociais. Vai ser difícil ver Tropa de elite pensando que é coisa do passado, que o playboizinho não é mais quem financia o tráfico.

Está difícil acompanhar essas novas verdades brasileiras. A imprensa, sobretudo, não vai mais poder olhar para o pré e para o pós, vai ter que focar na verdade. Porque daqui a pouco a terra deixa de ser plana e o nazismo deixa de ser de esquerda. Melhor tomar manga com leite.