Publicidade
Colunas

Se é para bater em professor precisa ter coragem de filmar

Esta semana uma professora de inglês do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, foi agredida por um aluno e uma aluna por conta de uma competição emulada on-line. O negócio era simples: quem tem coragem de bater num professor e filmar? Todo mundo tem celular e rede social, bater seria só mais um passo.

Um passo que, filmado, deixa provas como dos idiotas que depredaram Brasília no dia 8 de janeiro e estão na CPMI e, se deram sorte, desfilando com tornozeleira. Se é essa a juventude que traz esperança para o futuro, esquece.

Além do absurdo da violência física, que merece todas as sanções legais, ainda há a burrice de terem escolhido o caminho mais difícil. Professor é agredido diariamente em sala de aula, só que estudantes normalizaram a situação e nem entendem assim.

Tem professor que dorme mais tarde ou acorda mais cedo do que gostaria separando notícias e informações bem atualizadas para levar aos alunos. Ao invés de conversar sobre esses assuntos, a turma prefere buscar outros no celular. Filmar esse tipo de agressão ninguém quer.

A maior parte dos docentes corrige trabalhos, prepara aulas, participa de reuniões em horários de estar com a família, de dormir, de viajar. Leva tudo para os discentes que não prestam atenção, reclamam de nota sem saber o motivo, ignoram como se aquela figura ali na frente fosse um boneco de posto de gasolina que precisa chamar sua atenção. Isso ninguém filma.

Tem aluno que sai e entra no meio da aula, desconcentrando o professor, tornando o encontro mais cansativo e menos imersivo, exaurindo a capacidade de concentração do coitado que tenta completar a história que estava contando e ainda tem que testemunhar o desfile da incontinência urinária, da garrafinha sem água, da mera vontade de sair dali. E cadê a câmera filmando tudo isso?

As conversas. Ah, as conversas. Turma conversa. Só que há um limite entre comentários à parte e conversa paralela, mais ainda quando ela se torna transversal. Quando quem deveria estar falando sozinho desiste e para de falar ainda escuta de algum estudante: cê não acha, fêssor? Como se ele tivesse parado de falar para prestar atenção na conversa interessante do grupinho da frente. Tem registro disso? Não tem.

Sem contar os insultos, as bagunças, as brigas a serem apartadas, as guerras de bolinha de papel que devem ser contempladas, uma música que toca no fundo, um celular que apita, o outro que atende e ainda o que grava áudio. Saudade do aluno que apenas dormia. E nada disso foi visto pelas câmeras ou postado nas redes.

Por quê? Porque filmar a sala de aula fere a liberdade de cátedra. Dentro de sala o professor pode usar todas as facetas de que dispõe para cumprir o seu papel. Desde que a turma também cumpra o seu.

Há constantemente mudanças nos processos pedagógicos e na legislação que acompanham o trabalhador da sala de aula, convenções e acordos coletivos tentam se adaptar aos tempos presentes. No entanto, um paradigma segue: o professor está em sala para ensinar o conteúdo de uma disciplina e a turma para aprender. Partindo desse pressuposto, qualidades e defeitos podem ser discutidos, tendo como princípio o respeito.

Se o estudante chega na escola sem respeito pelo professor, já joga para a instituição e para o docente o que deveria ter sido cumprido em casa. Se em casa essa responsabilidade é deixada, antes de ir para a escola, para a tela da televisão ou do celular, fica difícil manter a pedagogia depois. Educação não se faz no tapa.