ConjunturaContexto

A Zona da Mata recebeu mais recursos de emendas que o Triângulo Mineiro em 2023

Contrariando o senso comum do establishment juiz-forano, os valores de emendas individuais e de bancada recebidos pelos municípios da Zona da Mata em 2023 foram superiores aos recursos alcançados pelas cidades do Triângulo Mineiro. Tanto em termos absolutos quanto per capita, o desempenho de Juiz de Fora e seu entorno foi melhor quando comparado a Uberlândia, Uberaba e seus arredores.

Com base nas informações do levantamento sobre alocação de emendas federais realizado pelo jornal Poder 360, feito a partir de dados do Tesouro Nacional e do IBGE, O Pharol segmentou os municípios mineiros de acordo com as mesorregiões geográficas do estado. A Zona da Mata recebeu um total de R$ 217.500.581,00 referentes a emendas individuais e de bancada em 2023, o que equivale a R$ 97,83 per capita.

No mesmo período, a região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba conseguiu emplacar R$ 189.659.617,00, perfazendo R$ 78,71 per capita.  Considerando o valor global das emendas, quem mais arrecadou foi a região Metropolitana de Belo Horizonte, com R$ 305.999.262,00. Mas levando em conta o valor per capita, o Vale do Mucuri foi quem ficou com a maior fatia de recursos no estado, com R$ 251,93 por habitante.

Individualmente, Juiz de Fora fechou 2023 com R$ 29.000.693,00 recebidos em emendas parlamentares, o que representa R$ 53,63 por habitante. Manhuaçu, com R$ 17.355.597,00 (R$ 188,88 per capita), e Muriaé, com R$ 8.960.906,00 (R$ 86,07 per capita), fecham o ranking das melhores arrecadações em termos absolutos da Zona da Mata.

No Triângulo, Ituiutaba teve melhor desempenho, com R$ 31.284.430,00 (R$ 306,06 per capita), seguido por Uberaba, com R$ 25.237.851,00 (R$ 74,70 per capita), e Araguari, com R$ 13.817.128,00 (R$ 117,29 per capita). Uberlândia aparece apenas com o oitavo melhor desempenho da região, com R$ 5.202.382  (R$ 7,29 per capita).

Publicidade