A vida dos outros

Quem é o vereador que apresentou pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro?

Mais de 100 pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro seguem parados na Câmara dos Deputados (Foto: Marcelo Camargo/AgBr)

O septuagésimo primeiro pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) partiu da Zona da Mata de Minas Gerais. Sua tese principal envolve a má gestão ou ausência de gestão em relação à pandemia de Covid-19, com implicações ainda nas relações bilaterais entre Brasil e China.

O pedido é pautado na suposta infração dos artigos 4º, 5º, 8º e 9º da Lei de Impeachment que constituem, respectivamente, crimes contra a Constituição, contra a União, contra a segurança interna do país, além de improbidade administrativa.

O autor questiona o já elevado número de mortes, com “colapso do sistema de saúde pública e crise econômica instaurada”. Ele considera ainda que o “país está correndo grandes riscos de permanecer em caos absoluto em consequência da omissão do presidente”.

Em relação à acusação de que Bolsonaro teria fragilizado as relações com a China, o autor cita o encontro on-line entre chanceleres latinoamericanos e o país asiático, em julho de 2020, que tinha como pauta o acesso às vacinas, no qual o presidente teria “esnobado” a vacina chinesa.

Quanto ao atentado à diplomacia brasileira, o pedido de impeachment menciona vários comentários e críticas ofensivas de Bolsonaro e seus filhos contra a China. A postura do mandatário brasileiro provocou manifestações públicas da embaixada chinesa.

Para o proponente, o presidente teria cometido ato de hostilidade contra uma nação estrangeira, atentando assim contra a segurança interna do próprio país. Por fim, conclui que “os atos do presidente não podem ser banalizados e precisam ser devidamente respondidos”.

Conrado Luciano Baptista, vereador do PT do município de Santos Dumont, é autor do pedido de impeachment 71 apresentado em fevereiro deste ano contra Jair Messias Bolsonaro, presidente da República Federativa do Brasil.

Advogado nas áreas de diretos humanos e direito público, ele não descarta um novo pedido, agora por conta dos ataques às instituições e à democracia. “Vira e mexe o presidente comete algum crime de responsabilidade. O ataque às instituições e à democracia está configurado como crime de responsabilidade.”

Conrado conversou com O Pharol em seu escritório em Santos Dumont. Na entrevista, disponibilizada no vídeo abaixo, ele explica as motivações de um vereador para se manifestar contra as omissões do presidente e da importância de figuras públicas se posicionarem.

Relacionados
A vida dos outros

Eny Raimundo Moreira, a advogada juiz-forana que enfrentou a ditadura militar

Era véspera de Natal na penitenciária de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo. O ano de 1972 caminhava para o fim com seis presos políticos misturados a outros 400 presos comuns naquela unidade. Por…
Leia mais
A vida dos outros

O Natal mais triste da história de Juiz de Fora

O Diário da Noite publicaria na edição do dia 27 de dezembro que “1940 ficará assinalado na história de Juiz de Fora como o ano em que não houve Natal”.
Leia mais
A vida dos outros

Cartas para Larissa: a amizade de Itamar Franco com uma menina de seis anos durante a presidência

A primeira carta de Larissa Mallmann Fernandes Almeida Brandão, postada numa agência dos Correios de Curitiba, no Paraná, alcançou Itamar Augusto Cautiero Franco no final de abril de 1993, na Praça dos Três Poderes, 3º…
Leia mais

Notícias no e-mail