Publicidade
Holofote

Fusão entre DEM e PSL provocará mudanças em Juiz de Fora

Maurício Delgado hoje no DEM deve procurar outro caminho após fusão (Foto: CamaraJF)

A fusão entre DEM e PSL a cada dia parece mesmo uma via sem volta. Caso se concretize, o novo partido terá uma baixa certa em Juiz de Fora. O vereador Maurício Delgado (DEM) vai procurar outro caminho após a agregação das duas siglas. Um das opções é o PSB do deputado federal Júlio Delgado, seu primo.

O outro vereador do DEM, Antônio Aguiar, pretende conversar primeiro com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), antes de definir sua situação. Embora venha participando das conversas sobre a fusão, o senador tem conversas adiantadas com o PSD para uma eventual candidatura à Presidência. Casa opte mesmo por essa via, possivelmente por ter a companhia de Antônio Aguiar.

Único vereador de Juiz de Fora no PSL, Luiz Coelho (Pardal), ainda acompanha os desdobramentos da fusão. Da mesma forma, o deputado federal Charlles Evangelista (PSL) e a deputada estadual Sheila Oliveira (PSL) também esperam ver como a poeira vai se assentar após a composição das legendas para definir o futuro.

No início dessa semana, a executiva nacional do DEM decidiu dar seguimento à fusão do partido com o PSL. A composição, no entanto, ainda precisa ser referendada em convenção nacional, que deve ocorrer entre os dias 5 e 21 de outubro. A decisão dessa semana autorizou a convocação da convenção por 40 votos favoráveis no total de 53.

O PSL deve reunir sua executiva em breve para deliberar sobre o assunto. Por lá, no entanto, as conversas estavam mais bem encaminhadas. A ideia, segundo dirigentes dos dois partidos, é que as convenções do DEM e do PSL ocorram no mesmo dia para que seja anunciada a fusão.

Em seguida, a decisão será encaminhada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que seja criado de fato o novo partido. A sigla resultado da fusão ainda não tem nome, mas usará o número 25 e terá como presidente nacional Luciano Bivar, atual presidente do PSL. ACM Neto será o secretário-geral.

Mesmo com eventuais baixas, mas também com novas adesões, a nova legenda deve figurar como a maior da Câmara dos Deputados, com os 53 parlamentares do PSL e outros 28 do DEM. Isso renderá um dos maiores tempos de televisão em 2022, além de um robusto fundo eleitoral e partidário.