Publicidade
Holofote

Com PT e PSB ensaiando namoro longo, como fica o Wilson Rezato? Será candidato?

Wilson Rezato ainda não definiu seu futuro partidário (Foto: Reprodução YouTube)

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin acertou ontem (7) sua filiação ao PSB com o objetivo de ser o vice na chapa do ex-presidente Lula (PT) à Presidência da República nas eleições deste ano. A informação foi confirmada pelo presidente do partido, Carlos Siqueira, após reunião com Alckmin, o ex-governador de São Paulo Márcio França (PSB), o prefeito de Recife, João Campos (PSB), e o presidente do diretório paulista do PSB, Jonas Donizette.

Ainda não há uma data definida para filiação de Alckmin, bem como não se sabe se PSB vai integrar a federação partidária de esquerda com PT, PCdoB e PV. A única certeza, por ora, é que o PSB vai apoiar Lula, independentemente de PT e PSB integrarem a mesma federação partidária ou ainda que os dois partidos estejam em palanques únicos nos estados. O prazo limite para formalização das federações definido pelo Supremo Tribunal Federal é 31 de maio.

Antes disso, os deputados precisam definir por onde vão disputar as eleições de outubro. A janela partidária se encerra no dia 1º de abril. Após 18 anos, o deputado federal Júlio Delgado caminha para deixar o PSB. O motivo: o partido não tem chapa para a disputa proporcional em Minas Gerais. Caso a formação da federação partidária com o PT, PCdoB e PV estivesse assegurada, suas chances de permanência eram grandes. Mas a contar pelos desdobramentos dos últimos dias, sua saída é iminente.

Júlio Delgado tinha acordo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), de que, caso o senador fosse concorrer à Presidência da República, ele se filiaria ao PSD. Com essa hipótese aparece cada vez mais remota, o deputado juiz-forano já iniciou conversas com a direção estadual do PV. Como os verdes estão certos na federação partidária com PT e PCdoB, Júlio Delgado disputaria mais uma vez uma cadeira na Câmara dos Deputados numa composição com os petistas. Em 2018, o PSB estava na coligação com PT, PR, DC e PCdoB.

Uma vez no PV, nada impede, no entanto, que Júlio Delgado caminhe ao lado do PSB. Isso porque a expectativa dos dirigentes socialistas é de que, após a filiação de Alckmin, muitos deputados e candidatos migrem para a legenda aproveitando a janela partidária. Caso a movimentação não se concretize em alguns estados, a pressão pelo ingresso dos socialistas na federação de esquerda deve aumentar. Essa seria a derradeira forma de salvar as bancadas regionais.

Impactos em 2024

Com o PSB como vice de Lula ou ainda com o PSB numa federação partidária com o PT, PCdoB e PV, os impactos eleitorais nas eleições municipais de 2024 serão inevitáveis. No caso de Juiz de Fora, a grande questão é saber como ficará o empresário Wilson Rezato (PSB), que foi derrotado pela prefeita Margarida Salomão (PT) no segundo turno das eleições municipais de 2020. Ele seguirá com os socialistas, mesmo com a proximidade com os petistas, ou vai procurar outro caminho?

Em resposta a O Pharol, Wilson Rezato disse que, como não será candidato a nenhum cargo nas eleições deste ano, vai deixar para definir as questões partidárias apenas em 2023. Mas ele tem mantido conversas com o PSD de Rodrigo Pacheco e, mais recentemente, vem acompanhando as movimentações do MDB de Juiz de Fora. A saída do ex-prefeito Bruno Siqueira do partido para se filiar ao Avante e a retomada das rédeas emedebistas por João César Novais recolocaram o partido na cena política local.

Políticos ligados a Wilson Rezato consideram praticamente impossível sua permanência no PSB, mas ninguém arrisca um palpite sobre seu destino. Diferentemente da pretensão do empresário de definir seu futuro partidário só no próximo ano, seus correligionários consideram que, caso o PSB integre a federação partidária com PT, PCdoB e PV até o dia 31 de maio, Wilson Rezato deverá antecipar sua movimentação. A aposta é de que ele saia e só faça nova filiação em 2023.

1 comentário

Comentários estão fechados.