Publicidade
Conjuntura

O duro recado de Alexandre, o Kalil, para Alexandre, o Silveira

Kalil declarou voto em Lula e disse que Alexandre Silveira pode ir para onde quiser (Foto: Leonardo Costa)

“Eu (Alexandre Kalil) e o Alexandre (Silveira) vamos caminhar juntos. Eu o apoio para senador, e ele me apoia para governador. Agora, ele vai para onde ele quiser, e eu vou para onde eu quiser”. Assim, o ex-prefeito de Belo Horizonte e pré-candidato ao governo de Minas Gerais, Alexandre Kalil (PSD), resumiu como será sua conduta na sucessão mineira ao ser questionado sobre os flertes do senador Alexandre Silveira (PSD) com o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Kalil esteve nessa sexta-feira (13) em Juiz de Fora, onde recebeu o título de cidadão honorário em cerimônia na Câmara Municipal. Antes do evento, ele admitiu problemas na construção da aliança entre PT e PSD. O impasse envolve a indicação do candidato ao Senado. Os petistas querem o deputado federal Reginaldo Lopes (PT), e o partido de Kalil defende a reeleição de Alexandre Silveira.

Mesmo mostrando certo otimismo em relação ao desfecho das conversas, o ex-prefeito de Belo Horizonte revelou seu propósito de ficar com o ex-presidente Lula (PT) em qualquer cenário. “É legítimo o PT querer o candidato? Absolutamente. É legítimo o PSD querer manter a cadeira que sempre foi dele? É legítimo (…) Temos um impasse onde temos que conversar”, ponderou, para se posicionar em seguida. “Infelizmente, se não der, não deu. Mas meu voto é do (ex) presidente Lula”.

Quanto à possibilidade de um dos desfechos das negociações entre PSD e PT ser a sua saída do processo, Kalil foi taxativo. “Isso é uma piada, uma pergunta cretina porque o Kalil levantou da cadeira (de prefeito para ser candidato). Então essa especulação maldosinha de oposição, é mais fácil um boi voar do que o Kalil não ser candidato pelo PSD.”

As especulações envolvendo o imbróglio da vaga de candidato a senador na chapa de Kalil davam conta de uma possível preferência do PSD pela manutenção da cadeira mineira no Senado do que pela disputa pelo governo do estado. Isso seria consequência do imenso prestígio de Alexandre Silveira em Minas Gerais, onde é presidente do PSD e homem de confiança de Rodrigo Pacheco (PSD), presidente do Senado.

Kalil, por sua vez, tratou a questão como brincadeira de mau gosto. “O presidente do PSD é o Gilberto Kassab. E o Gilberto Kassab me falou: ‘levanta da cadeira e vem ser candidato pelo PSD’. Então isso é uma brincadeira de parte da imprensa de péssimo gosto. Ninguém é moleque. Estamos mexendo com homens sérios. Apesar de na política ter muito moleque, não é o caso do PSD. Lá só tem gente séria.”