Publicidade
Colunas

A felicidade é sólida

Hoje, de manhã, a conversa com meu menino começou cedo e tensa. No alto dos seus dez anos, ele estava desiludido com a vida. Achando tudo muito injusto, desacreditado nas amizades, sofrendo por não ter conseguido sucesso em uma empreitada mirim. Deixei que ele desabafasse, explicando as razões do seu sofrimento real, e transformasse em EXpressão a pressão que o consumia. Aproveitei a deixa quando ele me perguntou: “Para que a gente fica tentando fazer tanta coisa, mãe, se nem tudo vai dar certo mesmo? Eu não estou mais feliz.”

Antes que ele continuasse a praguejar, emburaquei no espaço da respiração bufante do menino e perguntei: “Se as coisas ainda não estão como gostamos, com a gente fazendo todo o possível, imagina o que vai virar se a gente não tentar?” E pedi a ele permissão para explicar a diferença entre a solidez da felicidade e a liquidez da alegria, que nem sempre conseguimos segurar nas mãos.

Sugeri que ele pensasse na felicidade como se fosse seu corpo e os momentos felizes e os tristes uma roupa que vestimos. Quem, em sã consciência, abriria mão de um corpo saudável para evitar se vestir de forma maltrapilha? Pedi que ele imaginasse cada um de nós, que em muitos dias estamos malvestidos, trajando tristeza. Mas, essa roupa não é a de todo dia. Outros dias ela é colocada para lavar e vestimos nossa roupa mais cheirosa e colorida para sair por aí.  Tentei simplificar: é muito possível ser feliz e não estar alegre ao mesmo tempo. 

Na verdade (arregalei os olhos para ficar mais dramático), assustador e até mesmo preocupante seria se estivéssemos alegres o tempo todo. “Você não acha que quem consegue assistir às notícias que vemos nos jornais sem se entristecer está doente? E quem não fica muito triste em ver alguém dormindo neste frio na rua, sem ter onde morar? Ou alguém que, querendo muito alguma coisa, como você queria essa semana na escola, não fica muito triste quando não dá certo? Se eu fosse te buscar na escola hoje e você viesse saltitante me pedindo para comprar pizza para comemorar que seus planos não saíram como você planejou, aí eu já ia direto te levar na Dra. Lúcia e verificar se estava com febre”.

Segui com minha empolgação de professora buscando fazer com que ele compreendesse que o que estava sentindo naquele momento era o desejo de muita gente que, já desgostosa da vida, implora pela troca de um coração que já não bate nem apanha e pelo frescor que nos traz uma emoção ainda que pequena. Sentir é privilégio.

Achei que a partida estava ganha, e ele me vem com mais essa: “E como é que eu faço isso, mãe?”

Sugeri a ele o que sugiro a todos que encontro por aí e a mim mesma, diariamente: “Quando você tem fome, sente receio de ir comprar comida (eu não disse pagar pelo valor que cobram pela comida, olhe bem)? E quando sente dor de cabeça, hesita em tomar remédio? Ou quando precisa de diversão, pensa se deve clicar no seu canal preferido da TV por assinatura? Pois é, a gente precisa ir buscar as coisas onde elas estão.”

Muita gente já errou antes de nós e muitas outras pessoas se especializam em ajudar quem está com dificuldade de organizar os próprios pensamentos. A gente não devia demorar para pedir ajuda a quem nos ensina a respirar, a filosofar, a organizar os pensamentos, a crer em algo maior que nossos problemas. “Imagina, meu filho, que loucura você machucando a mão com pedra para fazer fogo para esquentar seu chocolate quente depois que já inventaram o micro-ondas e a caixa de fósforo? Meio burro, né?”.

A gente precisa aprender a utilizar o conhecimento e o trabalho de quem veio antes de nós para melhorar nossa vida. Eu já estive no quinto ano faz tempo, que nem tinha esse nome, mas assegurei a ele: as desilusões eram as mesmas, e eu sobrevivi. Às vezes, ficando chateada por muito tempo, desiludida mesmo de ver gente que não merece se dando bem (o que nem de longe era o caso que o fazia sofrer) e por tantos outros problemas da vida adulta.

“Então, se você ficou chateada muito tempo quando era criança, eu posso ficar pelo menos uma semana. Essa semana eu fico triste e semana que vem eu esqueço, tá?”, propôs no alto dos seus dez anos.

“Tá!”. Concordei com um toque de mão e torci para que eu também conseguisse fazer esse trato comigo mesma da próxima vez que me decepcionasse. Me permitindo sofrer, sem recriminação e já reconhecendo que nenhuma dor é para sempre e que basta abrir os dedos para que as lamentações, assim como a felicidade faz de forma sorrateira, escorram por eles.