Conjuntura

Como surgiu a Campanha da Fraternidade e por que incomoda tanto a direita católica?

A CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) lançou nessa Quarta-feira de Cinzas (22) a Campanha da Fraternidade de 2023 com o tema “Fraternidade e fome”, em um apelo para os católicos assumirem suas responsabilidades ante a situação da fome no Brasil. A reação da extrema direita católica à inciativa e ao tema nas redes sociais veio ainda antes do lançamento e de forma virulenta.

O primeiro ataque partiu do youtuber Bernardo Küster, um leigo católico, ligado ao Centro Dom Bosco de Fé e Cultura, grupo da ultradireita católica que processou o Porta dos Fundos pelo especial de Natal que retratou Jesus como homossexual. Em uma postagem realizada no dia 10 de fevereiro, ele tratou a Campanha da Fraternidade deste ano como a “mais perigosa de todas”.

Na manhã dessa quarta-feira (22), Küster divulgou novo vídeo onde afirma que está em curso um processo de politização marxista na CNBB. Para justificar sua posição, ele crítica as estatísticas da fome no país e faz uso abundante de argumentos de Olavo de Carvalho, considerado o ideólogo da nova direita, responsável pela formação de uma geração de conservadores no Brasil.

Além de Olavo de Carvalho, o Centro Dom Bosco tem um forte vínculo com a organização conservadora internacional “Leadership Internacional”, com sede nos Estados Unidos e ligada a Steve Bannon, o ex-estrategista chefe da Casa Branca de Donald Trump. Foi dele a ideia de transformar um mosteiro em Trisulti, nos arredores de Roma, em quartel-general e escola de formação da extrema direita católica no mundo.

A elite católica de direita brasileira também é influenciada pela ultraconservadora Fraternidade Sacerdotal São Pio X, fundada pelo falecido bispo francês Marcel Lefebvre. A entidade é veementemente contra qualquer abertura e renovação dentro da Igreja. Seus seguidores defendem, por exemplo, a celebração da missa em latim, segundo o missal de Pio V, do século XVI.

Os lefebvristas são hostis às reformas do Concílio Vaticano II na década de 1960, assim como às resoluções das conferências de Medellin (1968) e Puebla (1979) e ao papado de Francisco. No Brasil, são críticos ferrenhos da CNBB e de Dom Vicente de Paula Ferreira, bispo auxiliar de Belo Horizonte, considerado pela extrema direita católica como uma espécie de porta-voz do Papa Francisco.

Em entrevista ao Instituto Humanitas Unisinos, o professor Romero Venâncio da Universidade Federal de Sergipe, que pesquisa a atuação de movimentos católicos e youtubers de extrema direita nas redes sociais, considera a recusa ao Concílio Vaticano II e ao Papa Francisco como o aspecto que une a extrema direita católica teologicamente.

“Esses grupos têm horror ao Concílio Vaticano II e se opõem ao Papa Francisco porque – e nesse ponto eles têm razão – ele é a síntese de João XXIII, Paulo VI e João Paulo II”, explica Romero Venâncio. Historicamente o Concílio Vaticano II surge a partir de uma profunda crise em que Pio XII deixou a Igreja, completamente fechada e encalacrada em si mesma.

O professor considera que “o grande drama do Papa João XXIII foi exatamente fazer com que a Igreja dialogasse com o mundo moderno.” Ou seja, tudo o que os conservadores católicos repudiam. “A extrema direita católica não tem esse aspecto do fundamento da fé porque ela defende mais a tradição do que a convicção pessoal. Isso é uma coisa muito visível nos seus membros.”

Romero Venâncio cita como exemplo o fato de os documentos da igreja serem mais importantes para esses fiéis do que o que diz o bispo ou o padre. Para o catolicismo conservador, “é muito importante aquilo que eles chamam de magistério da Igreja.” Enquanto isso, o Papa Francisco quer fazer a mediação entre a convicção pessoal que cada um tem enquanto fé e a prática pastoral coletiva.

A Campanha da Fraternidade e o Concílio Vaticano II

Realizada pela CNBB todos os anos no tempo da Quaresma, período de 40 dias que antecede a Páscoa, a Campanha da Fraternidade teve início em 1961, quando três padres que trabalhavam na Cáritas Brasileira planejaram uma campanha de arrecadação de recursos para financiar as atividades assistenciais da instituição.

A iniciativa foi realizada pela primeira vez na Quaresma de 1962 na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. Devido ao bom êxito da experiência, no ano seguinte, 16 dioceses do Nordeste também realizaram a campanha em suas comunidades. E assim o projeto foi crescendo ano após ano, alcançando os estados de outras regiões do país.

A CNBB então começou a estruturar e fundamentar a inciativa para estender a Campanha da Fraternidade a todas as dioceses do Brasil.  Como no mesmo período estava acontecendo o Concílio Vaticano II (1962 a 1965), quando representantes da Igreja Católica discutiram e regulamentaram vários assuntos em Roma, a pauta brasileira foi apresentada e aprovada.

Assim, em 1964, os bispos brasileiros aprovaram o texto que fundamentava a ação. O documento recebeu o nome de Campanha da Fraternidade – Pontos Fundamentais apreciados pelo episcopado em Roma. No ano seguinte, a iniciativa passou a ser vinculada diretamente ao Secretariado Geral da CNBB.

A partir daí, a cada ano, a CNBB passou a redigir um subsídio mais completo para a Campanha da Fraternidade. Em 1967, tiveram início os encontros nacionais da coordenação nacional e encontros de coordenações regionais da ação. Desde 1970 cada Campanha da Fraternidade recebe uma mensagem de apoio do papa, que é transmitida pelos meios de comunicação.

Publicidade