Colunas

Cartão de Natal 2023

Chegou a melhor época do ano

quando o 13° chega para o trabalhador celetista, que se recusou a aceitar e a votar a carteira de trabalho verde e amarela, ao contrário do que fez o congresso; momento de alegria para quem conseguiu trabalhar nas vagas temporárias de final de ano, sobretudo no comércio, e leva um extra para pagar as contas de dezembro, o #sextou do ano; tempo de tranquilidade para o professor que não vai cumprir aviso prévio nas férias pensando em distribuir currículo ainda antes do Natal

Momento de paz

sem milícia dormindo no Palácio da Alvorada, com conversas internacionais para aplacar os conflitos na Ucrânia (que não acabou) e na Faixa de Gaza (que nunca para), embora envolva mais dinheiro do que o trabalhador brasileiro consiga imaginar porque quer comprar a cerveja do final de semana de Natal

E prosperidade

com mesa farta, se não de peru e picanha, pelo menos sem ter que enfrentar a fila do osso; faltam bacon na farofa e pimenta de biquinho no arroz, mas o agronegócio continua trabalhando intensamente para que a mesa do brasileiro seja repleta de pratos, financiados pelo trabalhador, pelo governo ou pelo cidadão de bem que entrega a sopa de noite ao morador de rua e de dia vota contra ele na Câmara

De estar com a família

que voltou a ser de todos os tipos, sem o tradicional padrão brasileiro que envolve a hierarquia a partir do executivo e passando pelo Senado, pela Câmara e pela vereância carioca; família boa é família unida, mesmo quando se desentende sobre quem vai dormir no catre mais alto da cela, são os votos

De fazer amigo oculto

porque de orçamento secreto os pixes do Congresso se fartaram até a ceia do Natal passado e muitos dos cozinheiros desse indigesto prato servido então seguem na cozinha

E de ter Jesus no coração

ou na goiabeira e sem que azul e rosa sejam as cores padrões para o testemunho

Feliz Natal

com a certeza de que os caminhos se escrevem mais certos, mesmo que por linhas tortas; com mais realidade e menos emoção do que um ano atrás, ainda assim com mais fé de que o meteoro caia somente no Centrão e não mais em tudo e todos, todas e todes

Próspero Ano Novo

menos para quem escreve coluna toda semana e para os argentinos, carajo!

Publicidade