Publicidade
Holofote

Com as saídas de Júlio e Cido, PSB quer lançar vereador Vagner como candidato a deputado

Vagner foi vereador e prefeito de Chácara e está no terceiro mandato na Câmara de Juiz de Fora (Foto: JFTV Câmara)

O PSB de Juiz de Fora, que nas últimas eleições municipais chegou ao segundo turno com a candidatura do empresário Wilson Rezato, vai voltar às urnas nas eleições de outubro. Sem o deputado federal Júlio Delgado, que se filiou ao PV, e o vereador Cido Reis, que foi para Rede Sustentabilidade, o partido deve lançar como candidato a deputado estadual o vereador Vagner de Oliveira (PSB).

O presidente do diretório municipal, Aloisio Gonçalves de Castro, tem conversado pessoalmente com Vagner nos últimos dias sobre a possibilidade. A avaliação é de que, com a votação obtida pelo partido nas últimas eleições, há margem para se trabalhar uma candidatura viável de Juiz de Fora para a Assembleia de Minas. O nome do vereador tem o aval de Wilson Rezato, que também acompanha as conversas.

Caso seja mesmo candidato, será a segunda tentativa de Vagner de Oliveira de se eleger deputado estadual. Em 2014, lançou candidatura pelo PR, quando obteve 9.366 votos. Atualmente no terceiro mandato como vereador em Juiz de Fora, ele foi prefeito vereador e prefeito de Chácara por duas vezes. Para a direção do PSB, sua atuação na região ajudaria a buscar votos também em outros municípios.

Além de lançar Vagner de Oliveira como candidato a deputado estadual, o PSB ainda estuda como vai se comportar em relação à saída do vereador Cido Reis. Como a mudança aconteceu sem consentimento de nenhuma das instâncias partidárias, o mais provável é de que o diretório local requeira a cadeira na Justiça. Caso a medida seja adota e se obtenha sucesso, assumirá a vaga o ex-vereador Jucelio Maria, atual primeiro suplente.

De acordo Aloisio Gonçalves de Castro, a executiva do partido deve se reunir nos próximos dias para discutir a questão. O encontro deve acontecer depois do dia 18 de abril, que é até quando os partidos devem enviar para o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) as listas atualizadas com as novas filiações. Somente a partir dessa atualização, será possível obter documentos comprobatórios de filiações e desfiliações.

Já em relação à saída de Júlio Delgado, a mesma se deu dentro da chamada “janela partidária”, um prazo de 30 dias para que parlamentares possam mudar de partido sem perder o mandato. Esse período acontece seis meses antes do pleito e foi encerrado no último dia 2 de abril. Dessa forma, o deputado não corre nenhum risco. No caso dos vereadores, a “janela partidária” também existe, mas se abrirá apenas em março de 2024.